CURIOSIDADES SOBRE O CAVALEIRO MEDIEVAL

Você está no lugar certo, confira alguns dos melhores conteúdos abaixo.

Na parte ocidental do planeta, a ênfase está geralmente no surgimento da civilização greco-romana. O prestígio dado aos gregos e romanos é justificado pela forte e visível influência que esses povos tiveram na formação dos vários conceitos, instituições e costumes que permeiam o Ocidente como um todo.



No entanto, devemos também dar a devida ênfase aos maias, astecas, incas e olmecas que emergem no continente americano. Sem dúvida, o estudo das civilizações antigas é importante para que possamos entender melhor as várias características que nossa cultura assume hoje.

No entanto, de outro ponto de vista, o estudo da antiguidade também abre caminho para combatermos os valores e parâmetros que antes eram comuns a alguns homens e hoje estão tão distantes do que vivemos. É praticamente infinito o leque de conhecimentos que se aplica a esse período histórico.

Por volta dos sete anos de idade, o jovem nobre começou sua cavalaria cumprindo os deveres de uma página. Já nesta primeira fase, ele aprendeu sobre passeios a cavalo e o manuseio de armas usadas por um motociclista. Aos doze anos, o aprendiz foi transformado em escudeiro.

Naquela época, ele acompanhou seu senhor no campo de batalha e aprofundou seu conhecimento sobre o manuseio de espadas. Também melhorou sua aptidão em lutas, corridas e desafios de esgrima. Entre 18 e 20 anos, o escudeiro fez sua transição da juventude para a vida adulta, tornando-se um cavaleiro.

O rito de consagração do cavaleiro era uma solenidade muito importante, pois às vezes ele até tinha a presença ilustre do rei. Na noite anterior ao evento, o aspirante estava em jejum e segurando o relógio de armas. Quando chegou o grande dia, o futuro combatente foi desafiado em simulações de combate que provavam sua eficácia.



No juramento, o senhor do cavaleiro reforçou a submissão e a lealdade do cavaleiro, dando-lhe um tapa no rosto, ombro ou pescoço. Depois disso, foi feita uma declaração na qual você reforçou a coragem e a lealdade à invocação divina. Logo depois, o jovem montou no cavalo e saiu. Foi assim que um membro da classe nobre se tornou mais um membro das forças que protegiam as terras de seu tempo contra invasões.

Em situações de guerra, os cavaleiros eram organizados em diferentes postos de batalha. Tão importante quanto sua posição e habilidades, um cavaleiro não poderia sobreviver por muito tempo na guerra sem ser acompanhado por seu cavalo. Se sua montaria estivesse perdida, a morte era quase certa. No final do período medieval, a formação de exércitos nacionais e a introdução de armas de fogo enfraqueceram a imagem do cavaleiro, que veio a descobrir as lendas de uma época.

Autor

  • Fábio Soares

    Meu nome é Fábio Soares e sou apaixonado por compartilhar conhecimento e ideias. Com uma experiência de 12 em escrita, dedico-me a trazer conteúdos relevantes e informativos. Além de ser escritor para este blog, sou jornalista formado sempre em busca de novas perspectivas e aprendizados.